O Homem a nível de pênis

leprechaun

Homem-Pau_pequenoO HOMEM-PAU PEQUENO

Geralmente encontrado em carros altos, grandes, com largas caçambas, o homem-pau pequeno também pode ser encontrado na variante CEO de empresa que manda erguer totens, monolitos, torres e afins. O Homem-pau pequeno pode variar de baixo e magro a alto e robusto. Geralmente irritadiço e desconfiado, prefere as garotas inexperientes (e, cá entre nós, desavisadas) e costuma exercer seu poder efêmero sobre elas, que, na primeira oportunidade, descobrem que ele é um Homem-pau pequeno e passam a imaginar o que pode haver do lado de lá. Alguns deles são agraciados com Garotas-perereca-recolhida, que ficam felizes com os gestos carinhosos do pau pequeno. Alguns deles tornam-se exímios aplicadores de boquete.

homem-Bico_de_chaleiraO HOMEM-PAU-BICO DE CHALEIRA

Além de pequeno, o pau do Homem-pau-bico de chaleira apresenta uma interessante forma, com uma pequena curvatura. Ela sobe e desce em seguida, criando um pequeno movimento tobogã. Não fosse o diminuto tamanho do bico de chaleira, poderíamos admitir que seria uma experiência divertida o entra-e-sai de um pau curvo como um bico de bule. Detalhe: o bico de chaleira em questão é das esmaltadas, encontradas em secos e molhados de cidadezinhas remotas, e não das modernas, com apito. O Homem-pau-bico de chaleira não apita, mas ficamos sempre com aquela pergunta na cabeça: se era pra rolar uma aula de geometria descritiva, por que não trouxe uma régua-tê, um compasso e um transferidor?

pau de minhocaO HOMEM-PAU DE MINHOCA

Se há uma coisa que dá raiva é esse tipo que aparenta força e robustez por puro sadismo.
O Homem-pau de minhoca costuma ter a auto-estima altíssima e arrota grandeza. Simplesmente não passa pela cabeça dele que aquela coisa é fina, ridícula e odiosa. O tipinho costuma freqüentar as rodas mais interessantes da cidade e mandar recados sensuais pelas suas amigas, que, desconhecendo a anomalia, passam o recado adiante e o colocam de cara pro gol. O Homem-pau de minhoca gosta de sussurrar frases sujas no ouvido da gente e ordena, cheio de si, que peguemos no seu pau. Assim, vamos cheias de expectativa e não achamos nada além de uma minhoca, que, muitas vezes, pode ser substituída com vantagem pelo dedo anular do infeliz. Eu grito, e você?

homem-meia-bombaO HOMEM-MEIA-BOMBA

Vulgo “borrachudo”, o Homem-meia-bomba gosta de rachar a conta, entra no carro sem abrir a porta pra gente e, se bobear, dá a partida no carro e só percebe a nossa falta quando pára num sinal. É aquele tipinho triste, medíocre e – o pior – feliz. Ostenta aquela cara de bobo alegre, e, quando bate de frente com uma garota carente e na seca, leva a coitada pra uma daquelas maratonas intermináveis. Em diversos formatos e tamanhos, o Homem-meia-bomba engana, surpreende mesmo, porque ele passa do estado de relaxamento total ao de ereção máxima, porém, a gente fica sempre ali, esperando a coisa firmar, e ele simplesmente não firma nem a pau. Aí começa a maratona: bota aqui, enfia ali, faz um calço… Olha, passa na ortopedia do Miguel Couto, bota uma tala e volta mais tarde!

homem-paus-imensusO HOMEM-PAUS IMENSUS

João Grandão é o outro apelido dele, que costuma achar que, com aquela jeba que não tem mais tamanho, não precisa de mais nada. Geralmente, é burro que Deus me livre. O Homem-paus imensus foi acometido da anomalia ainda na adolescência, período em que deveria estar polindo seu cerebelo e aprendendo alguma coisa pra tentar passar num vestibular, mesmo que pagando. Mas não, ele se satisfez em botar o pau pra fora em vestiários e rinhas de porra à distância pra se gabar com os amiguinhos, que o endeusavam. Os anos se passaram, e Paus imensus privilegiou a irrigação que migrou do cérebro pro pau. Costuma ser encontrado em redes de vôlei na praia às 3 da tarde, bem bronzeado, com uma toalha no ombro. O Homem-paus imensus não tem nem pista do que possa ser uma zona erógena, preliminares e outras bobagens sexuais, porque para ele basta abaixar o zíper e deixar aquela coisa se desenrolar e fazer o típico som (acachafláfla).

homem-escapoleO HOMEM-ESCAPOLE

Uma variação triste, que combina um pouco do Homem-pau pequeno com o meia-bomba. O Homem-escapole é um desafio constante. Não mexe que ele escapole, não vira que ele escapole, não tosse que ele escapole. Soluço? Escapole.

leprechaunO HOMEM-CHAPELETA ENCANTADA

Cadê os duendes? E lá vem ele com aquela cabeçorra gigante de cogumelo que faz sombra no caule. Parece uma rolha de champanhe, só que, além de ter que sair, ela primeiro tem que entrar, o que dificulta nas duas vias. O chapeleta causa um estranho efeito no sexo oral, uma coisa rally, em que é preciso passar por aquele obstáculo, ou então a gente nunca chega ao resto do pau do infeliz, porque a chapeleta está sempre lá. E ele se orgulha, dá lustro na chapeleta, aquela porra brilha. Já ouvi caso de mulher que ficou engatada e nunca mais saiu de lá. Um horror.

Antes que digam que aqui só tem mulher que não gosta de pau, não revelamos as maravilhas do Homem-pau-delícia para evitar a espionagem industrial.

Related posts

Leave a Comment